Preâmbulo

 

O que é a Pegada Ecológica da CIDSE?

A “Pegada Ecológica da CIDSE” oferece meios para a rede CIDSE avaliar e reduzir a sua pegada ecológica. O Secretariado da CIDSE e várias organizações membros já pensam no impacto ambiental do seu trabalho há muitos anos. A Pegada Ecológica da CIDSE constitui um passo crucial na recolha e apresentação de todas estas experiências valiosas da rede CIDSE. Mostra-nos onde estamos como rede e como podemos avançar em conjunto. Em linha com os nossos esforços contínuos para tornar a CIDSE uma verdadeira rede de aprendizagens, a Pegada Ecológica da CIDSE destina-se a facilitar a troca de conhecimentos e experiências e a promover sinergias em toda a rede CIDSE. Esperamos que “a Pegada Ecológica” apoie ativamente a nossa rede a passar das palavras aos atos quando analisamos o nosso próprio impacto ambiental. Pretende ainda inspirar e ajudar-nos a continuar a refletir, questionar e desafiar-nos e às nossas organizações e a tomar medidas práticas para minimizar o nosso impacto ambiental.

O trabalho da CIDSE sobre pegadas ecológicas é um processo dinâmico que vai continuar a desenvolver-se e a evoluir na rede CIDSE. Nesse sentido, é apenas um ponto de partida, um primeiro passo conjunto. O formato online permite-nos rever, atualizar e acrescentar histórias, sucessos, práticas inspiradoras e recursos de membros da CIDSE e, numa segunda fase, também de parceiros e aliados. Esperamos que possa servir como uma base firme para continuarmos a pensar, discutir e partilhar maneiras de reduzir ainda mais a pegada ecológica da CIDSE. 

 

Porque foi desenvolvida?

Como rede, lutamos por uma mudança transformadora para acabar com a pobreza e desigualdade, desafiando a injustiça sistémica, a desigualdade, a destruição da natureza e promovendo alternativas justas e ambientalmente sustentáveis. Isto reflete-se no nosso trabalho quotidiano sobre justiça climática, sistemas energéticos e alimentares, regulamentação corporativa e direitos sobre a terra, em que defendemos ativamente que os governos e as empresas parem de prejudicar o nosso ambiente, saúde e futuro comuns. Através do nosso trabalho com os membros, parceiros e aliados, temos uma visão ampla e direta dos impactos sociais e ecológicos dramáticos e devastadores da nossa economia e modo de vida ávido de recursos. Nas nossas vidas pessoais e em todos os aspetos do que fazemos como rede, somos, portanto, especialmente chamados a atuar de uma forma responsável para com o clima e o ambiente.

À medida que os apelos por uma transformação urgente num mundo justo e sustentável se ouvem cada vez mais alto, precisamos de ações ousadas, ambiciosas e imediatas a vários níveis. Os efeitos cada vez mais tangíveis das alterações climáticas na nossa vida quotidiana, e especialmente sobre os mais vulneráveis, recordam-nos que temos de agir. Com a adoção do Acordo de Paris em 2015, os países concordaram em manter o aumento da temperatura global bem abaixo de 2°C e em prosseguir esforços para limitar o aquecimento a 1,5°C. No entanto, a redução das emissões, conforme atualmente está estabelecido nos Contributos Determinados a Nível Nacional dos países, não será suficiente para atingir esse objetivo e para nos pôr a caminho de uma sociedade de baixo carbono. Enquanto continuamos a insistir junto dos decisores políticos para que encontrem soluções rápidas e claras e continuamos a mobilizar, apoiar e apelar a uma transição justa para um futuro mais sustentável e saudável, reconhecemos que juntos temos a chave para provocar a mudança de que precisamos e reduzir as nossas emissões de dióxido de carbono. As alterações climáticas exigem mudanças profundas e radicais nos nossos atuais padrões de produção e consumo, obrigando-nos a tornar a nossa maneira de trabalhar mais sustentável.

As mudanças que imaginamos conduzir a um mundo justo e sustentável não podem acontecer sem o compromisso pessoal de muitos. Existem práticas que nós, como indivíduos, comunidades e organizações, podemos adotar para criar o tipo de mundo que queremos ver. As nossas ações podem ser sementes de um novo modo de vida e levar os decisores políticos a passar das palavras às ações.

Na CIDSE, estamos convencidos de que esta mudança também deve acontecer ao nível da organização e da rede. O nosso mandato para trabalhar na avaliação e redução do impacto ambiental da nossa rede está plenamente integrado no nosso atual Quadro Estratégico e no Plano Operacional. Na nossa prioridade organizacional “A mudança começa connosco”, estamos a trabalhar para criar condições estruturais que contribuam para provocar uma mudança sistémica. Dentro dessa prioridade, não se trata apenas do trabalho que fazemos como rede para avançar rumo a uma transformação para um mundo justo e sustentável, mas também de olhar para a forma como funcionamos na nossa rede e para o impacto que o nosso próprio trabalho tem sobre o ambiente. Temos de ser donos da mudança que queremos ver e passar por uma transformação organizacional, que inclua uma avaliação das nossas práticas, com base no seu impacto ecológico, e o nosso esforço para reduzir ainda mais a pegada ecológica da CIDSE.

O nosso trabalho sobre as pegadas ecológicas também está profundamente enraizado nos princípios e valores da Doutrina Social da Igreja. Na sua Encíclica “Laudato Si”, o Papa Francisco apelou a uma conversão ecológica que envolva uma profunda transformação rumo a um modo de vida mais sustentável e um imperativo moral de responder “ao clamor dos pobres e ao clamor da terra” nas nossas ações quotidianas. A encíclica do Papa inspirou toda a família CIDSE a começar a ter em conta o seu próprio impacto ambiental como organização ou a subir a fasquia naquilo que já faziam.

 

A quem se destina?

A Pegada Ecológica da CIDSE será lançada em duas fases. Na sua fase inicial, foi desenvolvida principalmente para reflexão interna dos membros da CIDSE e do Secretariado da CIDSE. A limitação do seu âmbito inicial vai permitir-nos continuar a recolher as experiências dos membros da CIDSE e a desenvolver melhor a ferramenta. No entanto, no futuro, pretendemos abri-la aos aliados e parceiros da CIDSE.

Nos próximos meses, o Secretariado da CIDSE vai aproveitar várias oportunidades (tanto online como offline) para partilhar a Pegada Ecológica da CIDSE. Acreditamos que particular e debater as formas de reduzir ainda mais a nossa pegada ecológica não é uma coisa que devemos fazer isoladamente, mas que deve fazer parte do diálogo permanente com os nossos membros, parceiros e aliados, tanto no Norte Global como no Sul Global.

 

Como pode ser usada?

A forma como a Pegada Ecológica da CIDSE foi concebida permite que seja usada de várias maneiras. Foi desenvolvida para acolher uma variedade de necessidades de apoio que os membros da CIDSE podem ter para continuar a trabalhar a sua pegada ecológica.

  • Pode celebrar as conquistas dos outros membros da CIDSE na redução da sua pegada ecológica;
  • Pode ler as suas histórias sobre quando, porquê e como começaram a trabalhar para reduzir a sua pegada ecológica e o que conseguiram até agora; nos últimos anos, temos testemunhado o poder da partilha de histórias que inspiram a mudança à nossa volta: queremos continuar a promover este processo.

Com base na experiência valiosa da rede CIDSE, a “Pegada Ecológica da CIDSE” também inclui várias ideias sobre como progredir no trabalho sobre pegadas ecológicas, nomeadamente:

  • lições baseadas na experiência de alguns membros da CIDSE sobre como avaliar a pegada ecológica da organização e como incorporar esse trabalho numa organização;
  • práticas concretas e inspiradoras reunidas pelos membros da CIDSE sobre como reduzir a sua pegada ecológica organizacional nas viagens, no escritório e em outras atividades, como eventos e workshops;
  • perguntas para a rede CIDSE refletir e discutir;
  • e uma secção de recursos com links para vários materiais de membros da CIDSE sobre pegadas ecológicas.

 

Gostaria de partilhar a experiência da sua organização no trabalho sobre a pegada ecológica? Ou outras informações e recursos? Fale connosco! Giorgio Gotra [gotra(at)cidse.org] ou Nicky Broeckhoven [broeckhoven(at)cidse.org]

Percurso sobre a pegada ecológica dos membros da cidse

Vários membros da CIDSE têm vindo a pensar e atuar sobre as pegadas ecológicas e estilos de vida sustentáveis há muitos anos. Esta secção mostra parte do trabalho incrível que já acontece na rede CIDSE. Em seguida, vários membros partilham connosco o seu percurso sobre a pegada ecológica. Contam quando e como começaram a olhar para a sua própria pegada, descrevem como avançaram e sublinham as principais conquistas até ao momento.

Os seus percursos mostram uma ampla gama de abordagens ao trabalho de avaliação e redução da pegada ecológica. São possíveis vários pontos de partida e não existe uma maneira única de lidar com as pegadas ecológicas e com a sustentabilidade numa organização. Depende muito do tamanho da organização, dos seus recursos (equipa, tempo e orçamento) e do grau de compromisso e apoio em diferentes níveis.

Os seus percursos demonstram ainda que o trabalho sobre a pegada ecológica não acontece num processo perfeitamente linear e que demora algum tempo até que todos estejam no mesmo ponto. Alguns membros da CIDSE começaram a analisar o impacto ambiental do seu trabalho e das suas atividades há quase dez anos, mas isso não significa que esses esforços tenham sido sempre coerentes. Vários membros relatam que o trabalho sobre a sua pegada ecológica variou: umas vezes progrediram, outras vezes estiveram parados.                                                           

O trabalho sobre as pegadas ecológicas na rede CIDSE já deu origem a muitas conquistas concretas. Vários membros da CIDSE têm agora políticas ou orientações sobre sustentabilidade. Alguns criaram, ou estão no processo de criação, uma equipa ou grupo de trabalho especial para se concentrar na sua pegada ecológica e na política ambiental. Alguns estabeleceram metas e conseguiram reduzir substancialmente as emissões em áreas como as viagens ou as atividades do escritório. É importante reconhecer e celebrar estas conquistas à medida que a rede CIDSE continua a refletir, debater e partilhar maneiras de reduzir ainda mais as nossas pegadas ecológicas.

A Broederlijk Delen criou um grupo de trabalho sobre “política verde” em 2010, como parte da sua responsabilidade social corporativa. O grupo de trabalho teve os seus altos e baixos, uma vez que raramente foi uma prioridade para os participantes, mas, pouco a pouco, a “política verde” foi crescendo. Foram implementadas políticas e os funcionários foram ficando cada vez mais conscientes da expressão “passar das palavras à ação”. A Direção apoiou o grupo de trabalho desde o início, o que facilitou as atividades e as novas políticas. Trabalhámos sobre uma ampla gama de questões e atingimos resultados significativos sobre “alimentação sustentável” e “viagens nacionais”. Atividades como refeições vegetarianas partilhadas e conversas ao almoço foram populares entre a equipa. Desde 2019, concentrámo-nos em 2 ou 3 áreas de política por ano. Em 2019, foram o “consumo de energia”, as “viagens internacionais” e a “comunicação”. Em 2020, estamos a trabalhar sobre “alimentação sustentável” e “desinvestimento”. Temos consciência dos crescentes desafios climáticos que o mundo enfrenta e que exigem uma mudança maior do que a maioria das organizações conseguiu fazer nos últimos dez anos. Esta é uma área essencial de preocupação nos nossos planos futuros.

Para saber mais sobre as nossas principais conquistas, clique aqui

A CAFOD trabalha há décadas os temas de ambiente e alterações climáticas, através do nosso próprio trabalho operacional, os nossos programas internacionais no exterior e a Comunidade Católica em Inglaterra e no País de Gales. Vimos em primeira mão o impacto devastador das alterações climáticas e a destruição ambiental nos nossos parceiros, e temos visto como a comunidade católica se tem mobilizado para a mudança em si mesma e desafiar a situação.

Procurando inspiração na Laudato Si, fomos desafiados a ouvir “o clamor da terra e o clamor dos pobres” em todo o nosso trabalho. O nosso quadro estratégico para 2020-30 A Nossa Casa Comum assume um compromisso com “uma conversão ecológica para a nossa própria transformação”. Uma das medidas da nossa conversão ecológica é que a CAFOD vai “dar o exemplo de gestão ambiental e ser neutra em carbono até 2030”. No nosso Programa Internacional, estamos comprometidos com uma abordagem de ecologia integral.

A nossa política ambiental foi atualizada de acordo com a nossa nova estratégia e é orientada por um grupo de trabalho de Gestão Ambiental. Comprometemo-nos a proteger o ambiente, reduzindo o impacto ambiental negativo em todas as nossas operações e no trabalho dos programas, bem como a regenerar o ambiente. O relatório anual 2019/20 terá uma secção sobre gestão ambiental e começaremos a publicar a nossa pegada de carbono a partir de 2020/21.

Para saber mais sobre algumas das nossas conquistas, clique aqui

O ambiente e a ecologia foram sempre temas importantes na nossa organização, mas sobretudo nos programas no estrangeiro, onde o apoio a grupos de pequenos agricultores sobre agroecologia predominou nos últimos anos. Mas por que motivo trabalharíamos em agroecologia com os parceiros no estrangeiro, mas não aqui na Bélgica? Esta incoerência não tinha justificação, por isso começámos a olhar para a agroecologia aqui na Europa, promovendo melhores políticas públicas e depois a analisar a nossa própria pegada ecológica. De facto, sentimos que devíamos dar o exemplo aos nossos parceiros internacionais e aos stakeholders externos e internos. Por volta de 2015, também elaborámos a nossa “Politique de Développement durable(Política de Desenvolvimento Sustentável). Aconteceu também que o nosso principal financiador institucional, o Ministério da Cooperação para o Desenvolvimento belga, desejava que as ONG que apoiava tivessem essa política. O nosso compromisso ambiental foi reforçado quando pedimos e conseguimos o selo verde (Label Entreprise Ecodynamique) atribuído pela Região de Bruxelas em 2015, e novamente em 2019. Ter uma política escrita sobre desenvolvimento sustentável em vigor, e receber um rótulo ambiental ajudou-nos bastante a aumentar a motivação da equipa, dos voluntários e dos doadores, ao mesmo tempo que demonstrava claramente o nosso compromisso para com as causas ambientais.

Para saber mais sobre as nossas principais conquistas, clique aqui.

Na eRko, tentamos fazer um bocadinho todos os dias. Por exemplo, viajar em transportes públicos, reduzir o número de carros usados para participar em encontros ou reuniões, e privilegiar as viagens de comboio e a partilha de carros. Quando recebemos convidados ou organizamos seminários e workshops, compramos comida e bebidas em lojas sem desperdício. Sempre que possível e quando faz sentido logisticamente, incentivamos as viagens de comboio em vez de avião ou de carro (por exemplo, reuniões com parceiros na Áustria). Infelizmente, não temos políticas claras para reduzir sistematicamente a nossa pegada ecológica.

A FEC trabalha sobre a sustentabilidade e a sua pegada ecológica desde 2011, como parte das campanhas sobre estilos de vida sustentáveis. No entanto, não estamos a trabalhar a pegada ecológica da organização. Atualmente, não temos política nem procedimentos escritos sobre este assunto. Contudo, temos algumas práticas de sustentabilidade na nossa organização para reduzir a nossa pegada ecológica. Fomos desafiados pela CIDSE a começar a trabalhar estas questões. Depois de analisarmos a situação em Portugal e junto dos nossos parceiros locais, concluímos que a sustentabilidade estava diretamente relacionada com a nossa missão. Começámos, assim, a trabalhar estas questões regularmente junto das escolas, campanhas, parceiros locais, produtores, pequenos agricultores e decisores (a nível local, nacional e europeu). Agora, os “estilos de vida sustentáveis” são um dos principais eixos do Plano Estratégico da FEC para 2017-2021.

Para saber mais sobre algumas das nossas conquistas, clique aqui.

Na nossa organização, desenvolveu-se uma maior sensibilidade a esta questão, principalmente graças ao lançamento da Encíclica do Papa Francisco sobre ecologia (integral) – Laudato Sí – em 2015. O trabalho por trás da organização de várias peregrinações nacionais e internacionais sobre o clima contribuiu para reforçar a mensagem da encíclica. Outro fator que teve um papel fundamental neste processo foi o compromisso pessoal da nossa equipa. Neste sentido, um exemplo concreto e recente de como mantemos “viva” a consciência sobre estes assuntos foi o regresso dos nossos jovens apoiantes do acampamento da CIDSE “Mudar pelo Planeta, Cuidar das Pessoas”, organizado pela CAFOD no Reino Unido, em agosto de 2019. De volta ao escritório, graças à sua experiência no acampamento de seis dias, os nossos jovens colegas partilharam com o resto da equipa a necessidade de a FOCSIV olhar para a sua própria pegada ecológica, analisando o nosso uso de plástico descartável, a forma como montamos os nossos sistemas de aquecimento, o uso dos carros e a mobilidade da equipa do escritório, a gestão orçamental, … Assim, embora ainda não tenhamos implementado políticas de sustentabilidade, temos consciência da importância deste tema.

Para a rede KOO, este processo começou realmente em 2015. Nessa altura, a Conferência Episcopal Austríaca emitiu uma declaração sobre proteção climática, em que estabelecia três objetivos para a Igreja Católica austríaca, incluindo o desenvolvimento de (1) estratégias de proteção do clima e de energia, com planos de implementação, (2) normas de compras ecossociais e (3) orientações sobre sustentabilidade em todas as dioceses. Como várias dioceses já estavam a elaborar orientações sobre sustentabilidade, não fazia sentido que a KOO elaborasse as suas próprias orientações sobre sustentabilidade para as organizações ativas da Igreja e da ajuda internacional ao desenvolvimento. Então, decidiram elaborar as Orientações da KOO sobre Proteção Climática, que lhes permitiria incorporar as orientações que já existiam nas suas operações, e escolheram e complementaram os aspetos essenciais que fossem relevantes para a sua rede. Com base nestas orientações, pediram aos seus membros que escolhessem pelo menos três aspetos sobre os quais queriam trabalhar durante um ano. No início, alguns dos seus membros mais pequenos estavam um pouco preocupados porque não tinham grande capacidade para arrancar com este trabalho. No entanto, rapidamente se aperceberam de que já estavam a fazer bastante e algumas ações podiam ser realizadas facilmente. Alguns dos membros maiores implementaram as suas próprias orientações sobre “escritórios verdes” e sustentabilidade.

Há mais de 60 anos que a MISEREOR está envolvida em projetos internacionais de desenvolvimento, incluindo a proteção do ambiente e da atividade económica sustentável, para que as gerações futuras possam viver no nosso planeta. Desde o início, a MISEREOR apelou ao povo e aos decisores alemães para que analisassem e reduzissem o seu consumo de recursos. A MISEREOR exige o mesmo de si própria. O orçamento sustentável é uma das principais prioridades. Foi por isso que a MISEREOR adotou uma política de compras sustentáveis e implementou uma gestão ambiental sistemática, de acordo com o Esquema de Ecogestão e Auditoria da UE (EMAS), incluindo a validação externa. O nosso objetivo é evitar ou reduzir as emissões de CO2 provocadas pelo trabalho da MISEREOR e compensar todas as restantes emissões através do fundo de compensação Klimakollekte da Igreja. Ao incorporar critérios ambientais na cooperação para o desenvolvimento, a missão cristã de preservar a criação também ganha uma dimensão internacional e global no nosso trabalho com os projetos. Ao envolvermos os parceiros de projetos a nível internacional, e os parceiros de setor a nível regional e nacional, pretendemos criar uma consciência coletiva sobre modos de vida e de trabalho sustentáveis. Através do seu sistema de gestão ambiental, a MISEREOR tem como objetivo demonstrar a sua própria credibilidade e servir de exemplo para outros grupos e instituições da Igreja e da sociedade. Em conjunto com a MISEREOR, os seus funcionários também estão a dar o exemplo de como contribuir para um estilo de vida sustentável.

A Trócaire responde aos impactos das alterações climáticas nos países mais pobres do mundo há mais de uma década. Apoiamos as comunidades a juntar as peças quando acontecem catástrofes relacionadas com o clima e a aumentar a sua resiliência face aos futuros choques climáticos. Também fazemos campanhas a pedir ação a nível nacional e internacional e a sensibilizar e incentivar ações na Irlanda. Fizemos várias tentativas para abordar a nossa pegada de carbono organizacional. A nossa iniciativa mais recente – GLAS (Verde, em irlandês) começou em 2016. Temos um grupo de trabalho a funcionar e um representante da GLAS na nossa Equipa de Liderança de Topo. Reunimos anualmente os dados de todos os nossos escritórios sobre as emissões de carbono das viagens aéreas e rodoviárias, e o uso de papel e de energia. Desde 2017, estabelecemos metas anuais de redução das nossas emissões. As políticas GLAS estão incorporadas nos processos de planeamento e orçamentação anual da organização, com o objetivo de garantir reduções contínuas e consistentes das emissões e assegurar que o cuidado com o ambiente seja central em todas as nossas atividades.

Para saber mais sobre algumas das nossas conquistas, clique aqui.

No Secretariado da CIDSE, o desenvolvimento e a implementação de políticas para avaliar e reduzir a nossa pegada ecológica tem sido um processo progressivo, que começou há mais de 10 anos. Ao longo dos anos, temos observado o impacto ecológico do transporte e das viagens, que representam uma grande parte das nossas emissões de carbono, o impacto das atividades quotidianas no escritório, como o consumo de eletricidade, água e papel, e temos considerado o impacto ambiental dos eventos que organizamos ou acolhemos. Neste processo, houve vários passos informais (em reuniões e debates), mas também outros passos formais importantes. Desde 2010, implementámos políticas que abrangem a alimentação, os edifícios e as TI. Em 2016, o trabalho sobre a nossa pegada ecológica foi incorporado no Quadro Estratégico e no Plano Operacional da CIDSE, representando um mandato claro para continuarmos a trabalhar na avaliação e redução do nosso impacto ambiental de uma forma mais coerente, nomeadamente criando espaços de partilha e aprendizagem entre os membros e avaliando o progresso até ao momento. Levou-nos a adotar uma estratégia sustentável para o escritório e uma política de sustentabilidade revista e atualizada, que abrange várias categorias de operações de trabalho (incluindo viagens, escritório e atividades). Este processo teve o contributo de vários funcionários e membros da CIDSE.

Gostaria de partilhar o percurso da sua organização no trabalho sobre a pegada ecológica? Fale connosco! Giorgio Gotra [gotra(at)cidse.org] ou Nicky Broeckhoven [broeckhoven(at)cidse.org]

A experiência da cidse na avaliação e incorporação da pegada ecológica

Na rede CIDSE, sentimos uma necessidade real de refletir e considerar o impacto ambiental das nossas próprias atividades e de nos desafiarmos constantemente a reduzir ainda mais a nossa pegada ecológica, ajudando assim a travar o aquecimento global. A secção anterior destacou o trabalho incrível que já está a ser feito pelos membros da CIDSE e pelo Secretariado da CIDSE, e que deu origem a uma riqueza de informações com lições valiosas para avançar com o trabalho sobre a pegada ecológica. Isso permitiu-nos reunir várias práticas inspiradoras concretas, abrangendo várias áreas, como as viagens, as práticas de escritório e as atividades. A experiência dos membros também nos permitiu identificar fatores que têm provado ser cruciais, embora desafiantes, na incorporação com sucesso do trabalho sobre a pegada ecológica numa organização ou rede.

Como “medir é conhecer”, a experiência da rede CIDSE mostra que um primeiro passo essencial na avaliação da pegada ecológica é saber onde está a sua organização. Por isso, vamos começar por partilhar algumas experiências dos membros da CIDSE na avaliação da sua pegada ecológica e destacar alguns passos importantes desse processo. No entanto, medir e estabelecer metas de redução é apenas uma parte do processo. A experiência dos membros também tem mostrado que existem vários fatores que podem ter uma grande influência para que uma organização atinja com sucesso as metas e objetivos que estabeleceu. Estes fatores, debatidos na secção II, incluem a incorporação do trabalho sobre pegada ecológica num contexto organizacional mais amplo e conquistar apoio a diferentes níveis dentro da organização.

A EXPERIÊNCIA DOS MEMBROS NA AVALIAÇÃO DA SUA PEGADA ECOLÓGICA

Reduzir a pegada ecológica como organização exige uma avaliação do vosso atual impacto ambiental como organização. Os membros da CIDSE fizeram-no de várias maneiras. Apesar dos diferentes sistemas utilizados na rede CIDSE para avaliar as pegadas ecológicas e as diferentes fases em que os membros estão, algumas medidas são cruciais neste processo, nomeadamente: avaliar o impacto ambiental do que a sua organização faz, dando prioridade a certas áreas para se concentrar ou reduzir, e identificar e estabelecer metas e formas de reduzir ainda mais a sua pegada ecológica. No entanto, a avaliação da vossa pegada ecológica não é um processo linear. Alguns membros sublinham a necessidade de identificar com consistência áreas de melhoria.

AVALIAR O IMPACTO

Para avaliar o estado atual do vosso impacto ambiental como organização, tem de realizar uma análise e avaliação dos aspetos ambientais relevantes relacionados com as suas atividades. Para esse efeito, alguns membros da CIDSE efetuaram uma auditoria ambiental e/ou contrataram um consultor para ajudá-los a estabelecer sistemas de medição e avaliação. Outros desenvolveram os seus próprios sistemas internos e, sempre que possível, utilizaram ferramentas e recursos de medição online que já existiam. Dependeu muito dos recursos e das capacidades disponíveis nas organizações concretas.

Alguns dos desafios que os membros da CIDSE enfrentaram na avaliação do impacto foram problemas relacionados com a recolha e captação de dados (por ex., a falta dos dados necessários, lacunas nos dados ou problemas com o acesso e armazenamento de dados) e a subestimação dos requisitos de recursos e de tempo necessários para aceder aos dados e concluir as avaliações. Um bom exemplo do primeiro aspeto é o trabalho com as calculadoras online disponíveis para avaliar o impacto ambiental das viagens. Para calcular as emissões de CO2 das viagens aéreas, por exemplo, ainda existe muita incerteza sobre o fator pelo qual as emissões reais devem ser multiplicadas para se ter uma ideia correta do impacto climático total.

DAR PRIORIDADE A ÁREAS DE IMPACTO

Com base na avaliação de onde se situam como organização, alguns membros da CIDSE identificaram depois certas áreas de impacto às quais dariam prioridade no seu trabalho sobre a pegada ecológica da organização. É melhor basear esta priorização tanto na relevância ambiental (baixa, média, alta) das áreas de atividade de uma organização como nas oportunidades de mudança (baixa, média, alta).

Avaliar a pegada ecológica da organização revelou que, para vários membros da CIDSE, as viagens são a maior fonte de emissões de CO2 (ver também a secção de “práticas inspiradoras” desta ferramenta), que se tornou assim uma área importante em que se deviam concentrar. No entanto, por vários motivos, esta não é uma área em que se possa fazer mudanças facilmente. Devido à epidemia da COVID-19, vários ajustes de curto prazo (por ex., mudar para o trabalho online) permitiram-nos evitar viajar, mas nem todas são soluções a longo prazo e as viagens continuam a ser importantes para uma parte do nosso trabalho. Alguns membros da CIDSE salientaram, por exemplo, nas suas políticas ambientais que, embora as viagens internacionais representem uma grande parte das suas emissões de CO2, isto não pode sempre reduzir-se cada vez mais devido às suas funções como organizações. Este aspeto merece ser debatido de uma forma mais holística, considerando as várias necessidades e objetivos do nosso trabalho.

Além disso, as áreas que dão origem ao maior impacto ambiental podem nem sempre ser áreas em que se podem fazer reduções a curto prazo. Os membros da CIDSE comentaram que aliar medidas aspiracionais de longo prazo e resultados imediatos de curto prazo é importante para conquistar a visibilidade e a adesão necessárias para alcançar as metas aspiracionais de longo prazo (ver secção II).

ALGUNS EXEMPLOS CONCRETOS DOS MEMBROS:

A BROEDERLIJK DELEN identificou várias áreas a trabalhar. Em cada ano, escolhiam três áreas do plano de ação da sua “Política Verde” para melhorar ainda mais. Em 2019, trataram da comunicação (interna e externa), viagens (voos) e energia. Em 2020, estão a analisar a alimentação, investimento/desinvestimento e edifícios (incluindo o bem-estar no trabalho) (Grupo de Trabalho da Política Verde – Método e planeamento de trabalho 2018-2021).

Com base na primeira fase da sua auditoria ambiental, a MISEREOR identificou as viagens de trabalho internacionais e não europeias e a produção de materiais como candidatos adequados, em termos de relevância ambiental e oportunidades de mudança. Contudo, no futuro, a sua equipa ambiental identificou oportunidades e necessidade de ação sobre as viagens europeias, os eventos, o aquecimento e as compras. A produção de materiais também continua a estar na agenda (Programa Ambiental da Misereor 2019-2021). 

A TRÓCAIRE identificou inicialmente três áreas em que se devia concentrar (viagens internacionais e nacionais, e impressões internas e externas). Depois, acrescentaram a energia e os resíduos (TOR, Iniciativa Glas, março de 2016). 

DEFINIR OBJETIVOS E METAS

Além de avaliar e priorizar as principais áreas de impacto, também é bom que se definam metas concretas como organização. Vários membros da CIDSE estão atualmente a estudar a melhor forma de definir as suas metas de redução. A sua experiência mostra que existem algumas maneiras de o fazer. Pode-se apenas definir um objetivo, mesmo que não seja baseado em dados muito científicos. Este foi o conselho que um membro da CIDSE recebeu do seu consultor ambiental. A lógica por trás disso é que é sempre bom ter alguma coisa em que trabalhar. Pode superar a meta, pode não a atingir, mas pelo menos está a focar a mente das pessoas nessa meta de redução. Outro método é basear-se em metas de redução acordadas internacionalmente. Alguns membros tentam moldar as duas metas anuais de redução na implementação das metas do Acordo de Paris, ou seja, -40% de emissões até 2020, -60% até 2030; zero emissões a partir de 2050. 

INTEGRAR A SUSTENTABILIDADE E A AVALIAÇÃO DA PEGADA ECOLÓGICA NA SUA ORGANIZAÇÃO

Quando começa a trabalhar na redução da pegada ecológica da sua organização, geralmente é importante começar por dar pequenos passos. Medidas que possam ser concretizadas facilmente, mas que sejam visíveis e possam ser comunicadas e celebradas dentro da organização. Isso pode criar a motivação necessária para avançar e tomar outras medidas para reduzir ainda mais o impacto ambiental. Como disse um membro da CIDSE na sua história, “tentamos fazer um bocadinho todos os dias”.

No entanto, incorporar verdadeiramente o trabalho sobre a avaliação da pegada ecológica nas estruturas organizativas traz claros benefícios, em especial quando se trata de ampliar os vossos esforços. Os membros da CIDSE estão a explorar diferentes formas de fazer com que isso aconteça. As suas experiências demonstram que existem vários fatores que podem ter uma grande influência no alcance dos objetivos e metas que uma organização definiu, nomeadamente:

  1. incorporar o trabalho sobre pegadas ecológicas nos instrumentos estratégicos e de planeamento na vossa organização,
  2. ter recursos dedicados (tanto em termos de orçamento como de pessoal),
  3. garantir que existe um amplo apoio na vossa organização,
  4. comunicar externamente sobre o trabalho na vossa pegada ecológica,
  5. partilhar experiências com outras organizações, parceiros e redes.

Para mais informações sobre cada um dos factores acima, clique no visual abaixo. 

Sharing Communication Support Base Resources Framework

Práticas inspiradoras

Esta secção apresenta algumas das práticas inspiradoras em torno da pegadas ecológicas que acontecem dentro da rede CIDSE. Claro que não são exaustivas, mas proporcionam um bom panorama das diferentes opções que os membros da CIDSE consideram quando trabalham sobre o impacto ambiental da sua organização. Algumas destas práticas já estão a ser implementadas, e outras continuam a ter apenas um caráter aspiracional. Neste momento, esta secção representa um conjunto de práticas inspiradoras da Broederlijk Delen, Entraide & Fraternité, Trócaire, CAFOD, Fastenopfer, KOO, Misereor e do Secretariado da CIDSE. Todos têm políticas ou orientações em vigor para facilitar o seu trabalho em torno da pegadas ecológicas. Estes instrumentos são documentos vivos e dinâmicos que são regularmente atualizados e adaptados ao contexto local/regional. Alguns membros dão informações práticas detalhadas sobre como implementar as suas orientações, por exemplo, em anexo à sua política. Isto pode incluir requisitos específicos de atividades ou grupos de produtos (catering ou material de escritório) e dicas concretas de compras sobre produtos e locais.

Como a Pegada Ecológica da CIDSE será revista e atualizada regularmente, serão acrescentadas no futuro mais práticas inspiradoras de outros membros da CIDSE.

Travel Activities Office

Temas para futura reflexão e debate na rede CIDSE

Compensação de emissões

Alguns membros da CIDSE estão a pensar em como podem compensar emissões inevitáveis. Atualmente, alguns compensam as emissões inevitáveis através de organizações externas de compensação. Outros optam por compensar de outra forma, argumentando que as suas próprias organizações já apoiam atividades “de compensação” e que esse dinheiro que poderia ir para os seus parceiros e trabalho ambiental seria dessa forma gasto fora da organização. Além disso, alguns não querem dar a impressão de que a compensação resolve tudo – uma impressão que poderia levar a um aumento das emissões e corria o risco de comprometer a redução global de emissões. Há ainda a questão de equilibrar os efeitos negativos e positivos de toda a organização.

A questão de compensar ou não e de como compensar não é fácil, e é necessário ter em conta vários problemas. Contudo, é importante que as decisões sobre redução e compensação de emissões sejam amplamente discutidas internamente com a organização ou rede, para que tenham o apoio de todos na organização.

Desinvestimento

Inspiradas pela encíclica Laudato Si’, cada vez mais organizações e instituições cristãs de todo o mundo deixaram de querer investir o seu dinheiro nos setores dos combustíveis fósseis, mas sim em atividades económicas que ajudem a promover a transição para um futuro sustentável e favorável ao clima. Isto baseia-se numa consciência de que têm a responsabilidade de conseguir uma transição rápida e equitativa da “era fóssil” para uma economia de baixo carbono e energia limpa para todos. Alguns membros da CIDSE comprometeram-se a parar de investir reservas financeiras em ações ou fundos que envolvam a exploração de combustíveis fósseis e a retirar os investimentos nos setores fósseis nos próximos anos, reinvestindo no desenvolvimento sustentável, nas energias renováveis e na transição para uma economia de baixo carbono.

Chegou a altura de fazer um balanço da implementação prática destes compromissos na rede CIDSE, aprender com as diferentes experiências e abandonar totalmente todos os investimentos em combustíveis fósseis em toda a rede, desenvolvendo orientações práticas sobre investimentos sustentáveis e responsáveis.

Impacto das medidas sobre a pegada relacionadas com as viagens no trabalho com os parceiros

Esta questão para reflexão e debate está ligada a uma discussão mais ampla sobre o que pode significar uma redução nas viagens intercontinentais para o trabalho da rede CIDSE e dos seus membros com os parceiros internacionais. Alguns membros referiram que reduzir o número de viagens intercontinentais para reduzir as emissões de carbono resultantes das viagens aéreas teria inevitavelmente um impacto (especialmente a longo prazo) no seu trabalho com os parceiros. Por exemplo, ia exigir dos parceiros uma maior capacidade e reforço de recursos, e que os parceiros realizassem uma parte maior do trabalho que os membros da CIDSE tradicionalmente fazem. É também uma discussão que deve envolver os doadores, que muitas vezes insistem em viajar para os países parceiros para visitas iniciais, intercalares e finais e para avaliação. Será que isto é mesmo necessário ou poderiam ser usadas outras ferramentas e procedimentos para cumprir os mesmos requisitos? A reflexão e discussão sobre o impacto das mudanças na pegada relativa às viagens no trabalho com os parceiros vai ser cada vez mais importante para a rede CIDSE.

Impacto ambiental da comunicação digital

A secção sobre “práticas inspiradoras na rede CIDSE” demonstra que vários membros da CIDSE se estão a afastar cada vez mais da distribuição de materiais impressos, adotando uma comunicação mais digital, sempre que possível, nomeadamente: passar os relatórios anuais para formatos digitais; guardar material online em vez de imprimir; substituir deslocações por videoconferência, etc. No entanto, a comunicação digital também consome energia e contribui para a pegada ambiental da rede CIDSE. Pelo menos um dos membros da CIDSE, por exemplo, está a considerar o consumo de energia dos seus servidores e maneiras de limpar os seus servidores (sobretudo em relação a materiais de fotografia e vídeo) para evitar a necessidade de aumentar a capacidade e armazenamento do servidor. É um tema que merece maior atenção no contexto mais amplo da pegada ecológica da rede CIDSE.

Recursos sobre pegada ecológica da CIDSE

Políticas de sustentabilidade ou orientações adotadas pelos membros da CIDSE:

Inclusão da pegada ecológica nos relatórios anuais das organizações membros:

Informação sobre as pegadas ecológicas organizacionais nos sites dos membros:

Incentivar os funcionários, voluntários e seguidores a considerar a pegada ecológica dos seus próprios estilos de vida:

Considerar o impacto ambiental das atividades para jovens:

Calculadoras externas que podem ser usadas no cálculo das emissões:

Publicações relevantes da CIDSE:

Outros recursos relevantes:

Gostaria de partilhar a experiência da sua organização no trabalho sobre a pegada ecológica? Ou outras informações e recursos? Fale connosco! Giorgio Gotra [gotra(at)cidse.org] ou Nicky Broeckhoven [broeckhoven(at)cidse.org]